Escola afirmou em recurso que havia um homem na ala das baianas de outra agremiação, o que é proibido pelo regulamento do carnaval da cidade.

Liga das escolas não aceitou recurso.

Mulher trans na ala das baianas causa polêmica no carnaval de Nova Friburgo, no RJ A participação de uma mulher trans na ala das baianas de uma escola de samba está causando polêmica no carnaval de Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio. O carnaval de Nova Friburgo é considerado o segundo maior do estado do Rio e os desfiles aconteceram no último domingo (23).

Na terça-feira (25), as escolas de samba entraram com recursos contra as agremiações rivais.

Essa fase do processo é quando as escolas identificam algo que a outra tenha feito que infrinja o regulamento. Dos recursos apresentados, o que chamou a atenção e gerou polêmica na cidade foi o da escola de samba Unidos da Saudade, que afirmou que havia um homem na ala das baianas da escola Alunos do Samba, o que é proibido pelo regulamento. A Alunos do Samba argumentou que a participante da ala das baianas citada no recurso da Unidos da Saudade é uma mulher trans, e que por isso sua participação é permitida. No final do dia, a Liga Independente das Escolas de Samba de Nova Friburgo (Liesbenf) julgou o recurso, e chegou a conclusão que não aceitaria o pedido da Unidos da Saudade. "A decisão da Liesbenf foi ratificar a permanência dela e não retirar pontos da Alunos do Samba, mesmo o regulamento falando sobre homem, ela não é considerada homem na sociedade e, sim, mulher, com carteira de identidade feminina e possui todos os direitos de uma mulher.

Então a Liesbenf confirma a Chica como membro da Alunos do Samba”, disse Alfredo Werly, presidente da liga. Francisca Monteiro de Souza, conhecido no meio do samba da cidade como Chica, disse que desde os 12 anos se reconhece como do gênero feminino e em fevereiro de 2019 retificou todos os seus documentos. Chica disse se sentiu vítima de preconceito. "Fiquei muito chateada por usarem a minha imagem, sem permissão, pra prejudicar a minha escola.

Tudo isso só pra conseguir pontos.

Isso pra mim é uma alta grosseria e preconceito sem tamanho”, lamentou. A Unidos da Saudade divulgou em nota que em nenhum momento teve a intenção de ofender e discriminar quem quer que seja. "O regulamento da LIESBENF determina que não é permitido a participação de nenhuma pessoa do SEXO MASCULINO integrando a Ala das Baianas, conforme transcrição a seguir: 'Art.

24, I - Desfilar com, no mínimo, 10 (dez) baianas agrupadas em uma única ala, vestidas com a mesma fantasia, não sendo permitida a presença de pessoas do sexo masculino vestidas com roupas de baianas na ala.' A Saudade baseou -se no disposto no referido regulamento. Aproveita para deixar claro que sexo e gênero sexual são coisas distintas e que em nenhum momento sabia que o referido integrante possuía uma identidade de gênero que pudesse permitir, por ser reconhecido juridicamente como mulher, integrar a Ala das Baianas, embora em desacordo com o regulamento. A Saudade sempre acolheu a todos, tendo em vista que muitos de seus integrantes são LGBTS tanto que, no desfile deste ano tivemos uma integrante trans como destaque central em uma de nossas alegorias e muitas outras pessoas de diversas opções de gênero sexual que fazem parte da nossa escola, desde a diretoria até os desfilantes. Além disso, a Saudade , em nenhum momento, manifestou -se por nenhuma rede social acerca do fato, pois a intenção da Agremiação não era expor, nem discriminar quem quer que seja.

Se isto se tornou público, não foi através da Agremiação, nem de sua diretoria. A Saudade sempre apoiou e apoiará a causa das inúmeras Marias, Suzanas, Rayssas, Chicas...Enfim, a Saudade sempre irá apoiar e defender as minorias .

Sempre teve sua quadra aberta aos movimentos sociais e isso não só agora , pois na década de 80 já fazia "concurso de beleza gay" em sua quadra. Por isso, neste momento, vem a público se redimir com o referido integrante da Ala das Baianas, que nem se quer conhece pessoalmente. Aproveita para deixar claro que se faz necessário uma mudança no regulamento da Liga quanto ao ponto em questão", diz parte da nota da escola. Veja outras notícias da região no G1 Região Serrana.