Passageira de 51 anos esteve na Itália, país que registrou a doença.

Ela foi encaminhada ao Hospital Osvaldo Cruz, referência no estado.

Paciente com suspeita do novo coronavírus desembarcou no Aeroporto Internacional do Recife Pedro Alves/G1 Uma mulher com suspeita do Covid-19, o novo coronavírus, desembarcou em Pernambuco, nesta terça-feira (25), no Aeroporto Internacional dos Guararapes/Gilberto Freyre, na Zona Sul do Recife, segundo a Secretaria Estadual de Saúde.

A paciente tem 51 anos de idade e esteve na Itália.

Também nesta terça, o país europeu confirmou mais quatro mortes devido à doença, totalizando 11 vítimas fatais lá.

“Chegou ao hospital um caso que se enquadra na definição de caso suspeito.

Se ampliou recentemente a definição de caso suspeito.

Antes, falávamos da Ásia, agora falamos também da Europa.

Essa paciente estava em deslocamento na Europa, na região de Milão, e fez o deslocamento via São Paulo, onde fez uma escala e chega ao Recife com alguns sintomas que se enquadram na nova definição de caso suspeito para a doença”, afirmou o secretário estadual de Saúde, André Longo. O avião em que veio a paciente partiu do estado de São Paulo e pousou na capital pernambucana às 15h50.

Até a tarde de segunda-feira (24), o Ministério da Saúde monitorava três casos em São Paulo e um no Rio de Janeiro.

À noite, foi divulgado pelo governo federal um possível caso positivo de coronavírus na capital paulista.

Agora, o caso vai para o Instituto Adolfo Lutz para contraprova. "A gente precisa passar a mensagem de tranquilidade para a população.

O número de casos suspeitos vai tender a aumentar com a expansão do diagnóstico, das situações de possível diagnóstico.

O número de brasileiros que circulam na Europa é bem maior que os que circulam na China.

E a gente precisa estar preparado para dar as respostas adequadas, como estamos dando", disse o secretário. A mulher, segundo a filha - que pediu para não ser identificada -, viajou para a Europa no dia 13 de fevereiro para fazer um curso e, além da Itália, passou pela Espanha, país que também confirmou um caso nesta terça-feira (25).

No dia 18, começou a sentir os primeiros sintomas do que pode vir a ser o Covid-1, relatou a parente.

Ela foi encaminhado ao Hospital Universitário Oswaldo Cruz, no bairro de Santo Amaro, no Centro do Recife.

A unidade é referência na área de infectologia, segundo o protocolo implantando no estado. Exames Secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo [esquerda]; médico Demétrius Montenegro [centro] e George Dimech, responsável pela Vigilância em Saúde do estado, durante coletiva Pedro Alves/G1 A paciente foi analisada pelo médico Demétrius Montenegro, responsável pelo HOUC para situações relacionadas a coronavírus.

“Ela vinha apresentando caso de febre e dor de garganta.

Clinicamente ela está muito bem, se não fosse a questão de contingência e por ela vir de uma nova área incluída como caso suspeito, ela precisa ficar hospitalizada até concluir a investigação”, disse George Dimech.

Ainda segundo o médico, a mulher apresentou sintomas semelhantes a outros vírus com sintomas respiratórios.

Entretanto, durante o exame desta terça, ela não relatou febre. “Os sintomas são muito semelhantes e o que faz a diferença agora é a proveniência.

Se fosse uma semana atrás, ela não se enquadraria como caso suspeito.

Ela chegou hoje ao Brasil e ontem [segunda] a OMS incluiu a Itália e outros países como casos suspeitos”, explicou George Dimech, responsável pela Vigilância em Saúde da Secretaria de Saúde do estado. Foram coletados materiais da paciente para que sejam feitas análises no Laboratório Central de Pernambuco (Lacen), que vai analisar se se trata de uma Influenza.

Se for negativo, o material será encaminhado para São Paulo, responsável pelo exame para coronavírus.

O prazo necessário para o processo é de, no máximo, 72 horas. “Ela é um caso suspeito, não é confirmado, como tivemos outros 55.

A partir da notificação, a Anvisa fez com que ela não circulasse em território pernambucano.

Ela saiu da pista do avião para o isolamento.

Não há possibilidade de ela ter transmitido para ninguém”, afirmou. Conexão Antes de desembarcar no Recife, a mulher teve uma conexão no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo.

A companhia informou, ainda, que todos os ocupantes do avião foram avaliados e liberados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e que a “aeronave foi submetida a um procedimento de limpeza com agentes bactericidas e liberada para demais programações”.

A Azul informou, ainda, que “está colaborando com as organizações de saúde do Brasil na investigação do caso e a cliente será acompanhada pela Anvisa e pela unidade de saúde onde está sendo atendida”. No avião, estavam 132 passageiros, segundo a Secretaria de Saúde de Pernambuco.

O responsável pela Vigilância em Saúde da Secretaria de Saúde informou que a notificação sobre o caso da mulher foi encaminhada ao estado quando ela já estava em voo. "Todos eles foram cadastrados pela Anvisa.

Nenhum deles tem possibilidade de transmitir o vírus, porque existe um período de incubação.

Se a doença for confirmada, a Anvisa entrará em contato com os passageiros para fazer medidas de isolamento", detalhou Dimech. O G1 entrou em contato com a Avisa, mas não recebeu resposta até a última atualização desta reportagem.