Três amigos de Tarauacá criaram grupo com 200 pessoas e já atenderam 50 famílias em uma semana.

pelo menos 50 famílias já foram atendidas pela ação solidária Arquivo pessoal Um grupo de três amigos se reuniu e acabou criando uma rede de solidariedade e já conta com mais de 200 pessoas que fazem doações de cestas básicas e máscaras a famílias de pacientes que foram diagnosticados com a Covid-19 no município de Tarauacá, no interior do Acre. O município tem uma população de 42.567 habitantes e já registrou 92 casos de Covid-19, até a quinta-feira (21), segundo divulgou o boletim oficial da Secretaria Estadual de Saúde. Com os números elevados, os amigos então resolveram se mobilizar para amparar estas famílias e começaram, na última semana, a fazer a arrecadação de alimentos e máscaras, através do projeto “Quarentena sem Fome”.

Até esta sexta-feira (22), pelo menos 50 famílias já foram alcançadas pela ação solidária.

A ideia de fazer as doações partiu do professor Célio Braga.

Ele disse que pode ficar em casa, porque tem uma renda fixa e a esposa também, mas a realidade muitos moradores é diferente e foi tocado por essa realidade difícil que centenas de famílias enfrentam durante o isolamento social. Grupo faz doação de 200 máscaras Arquivo pessoal “A minha ideia surgiu pelo seguinte: eu posso ficar em casa, tenho meus contratos, minha esposa tem contrato e não tem problema nenhum.

Mas, fiquei pensando nas pessoas que não tem renda, nos autônomos e eles vão viver de quê? Não podem trabalhar, nem sair.

Então, pensei: vamos contribuir com os que não tem”, contou. O professor disse que chamou mais dois amigos, a ideia foi colocada nas redes sociais e mais amigos foram aparecendo e o grupo já conta com 200 colaboradores que fazem as doações em dinheiro, máscaras e alimentos. Para ele, o momento revela o melhor das pessoas que decidem ser solidárias e afirma que muitos outros vão ser alcançados.

"“A gente vai continuar enquanto perdurar isso, não vamos parar", acrescentou. Pessoas com Covid-19 O professor Flávio Santos, um dos amigos que começou tudo e coordena a ação, explicou que no início a ideia era atender as pessoas que foram diagnosticadas com a doença, mas aparecem outros pedidos e aqueles que estão precisando, eles dão assistência. Santos, contou que faz o controle do que entra e do que sai para garantir a quem estiver precisando que a ajuda chegue o quanto antes. “Eu coordeno e o Célio Braga e Cleiberemidio Costa correm atrás, passo o dia na quarentena mobilizando através do WhatsApp.

As pessoas entregam aqui na minha casa e entro em contato com as pessoas e vou entregar, ou eles vêm buscar”, pontuou. Entenda algumas das expressões mais usadas na pandemia do covid-19 Santos disse que toda doação é bem vinda e eles recebem tanto um quilo de alimento como a cesta básica e, quem não quer sair de casa, deposita e eles fazem a compra.

Apenas na última quinta-feira (21), eles atenderam 15 famílias. "Sentimento de estar sendo útil às pessoas.

Gratidão em confortar as pessoas com ajuda na alimentação e uma palavra de fé que tudo dará certo ao seu final.

A gente sente o coração em paz sabe? De fazer o bem para as pessoas", conclui sobre o sentimento que carrega ao fazer o bem.