Sindasp (Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado de São Paulo) enviou um ofício à SAP (Secretaria da Administração Penitenciária) no qual solicita que seja mantida a suspensão de visitas de familiares de presos nas unidades penais. O documento foi protocolado na segunda-feira pela regional de Marília, após consenso com representantes de outras regiões. 

Luciano Novaes Carneiro, diretor administrativo do Sindasp na região noroeste, afirma que o possível retorno gradual das visitações poderá colocar em risco a saúde não apenas dos servidores, mas também da população carcerária.

“Tendo em vista que haverá migrações, os visitantes podem levar [a Covid-19] a outras unidades em que até então não possuem casos da doença”, explica.

Além da proliferação do novo coronavírus, o representante também teme pela segurança das unidades, devido ao déficit no quadro de funcionários. “Com a pandemia, houve um aumento gritante no déficit porque muitos dos afastados são do grupo de risco; possuem pressão alta, problemas no coração, diabetes, obesidade”, expõe Luciano. 

“A gente entende a parte humana, que a visita ‘acalma’ o preso. Mas falta material humano para tomar conta”, afirma.  

“Se houver aumento do fluxo de pessoas sem o aumento do quadro funcional, com certeza acarretará em falhas da segurança e sobrecarga dos poucos que ainda laboram normalmente”, salienta o diretor administrativo, que afirma que o remanejamento de funções nas unidades foi uma característica da pandemia. “Não podemos deixar buracos, estamos até mesmo cancelando os dias de folga”. 

Vale lembrar que o Sindasp, através de uma liminar, conseguiu a suspensão das visitas em todos os presídios do Estado de São Paulo.

Na época, a decisão derrubou a Resolução do governo estadual de apenas restringir as visitas. A regra determnada uma visita por preso, a proibição da entrada de pessoas acima de 60 anos e grupo de risco, bem como aquelas que apresentassem sintomas da Covid-19.

A reportagem solicitou um posicionamento da SAP sobre fatos mencionados pelo Sindasp, e aguarda o retorno. 

Familiares na contramão
Na semana passada, a reportagem contou sobre a situação de familiares de presos que pedem o retorno das visitas presenciais. Inclusive, no final de agosto cerca de 20 moradoras da região estiveram com um grupo de mulheres na capital paulista, onde se reuniram em frente à SAP para pedirem o fim dos encontros virtuais.

A manifestação está agendada para ocorrer novamente amanhã, às 10h. 

As informações são do G1

Deixe seu Comentário