Pelo menos 288 reeducandos custodiados em dez presídios paulistas têm colaborado diariamente no combate ao Coronavírus elaborando máscaras de proteção. Em cinco meses, foram confeccionados 6 milhões de itens. Destes itens, cerca de 900 mil foram produzidas na Penitenciária Feminina de Tupi Paulista (298.100), Penitenciária “Anízio Aparecido de Oliveira” de Andradina (475.100) e Centro de Progressão Penitenciário “Dr. Javert de Andrade” de São José do Rio Preto (52.250), unidades vinculadas à Fundação “Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel” (Funap) regional de Mirandópolis.

Inicialmente, a linha de produção era focada nos modelos descartáveis. Depois, as oficinas da Funap ampliaram o leque de opões com máscaras reutilizáveis. O portifólio da Funap também inclui toucas, aventais descartáveis e protetores faciais. 

No último dia 31, durante reunião do Comitê Empresarial Solidário contra A Covid-19, o Secretário da Administração Penitenciária, Coronel Nivaldo Cesar Restivo, anunciou que irá doar 500 mil máscaras ao Fundo Social paulista. A doação se soma a outra, anterior, de outras 500 mil doadas máscaras à Secretaria de Desenvolvimento Social. As duas doações equivalem a R$ 605 mil, considerando o custo de produção, insumos e a remuneração dos presos, conforme determina a Lei de Execução Penal, que prevê o pagamento de pelo menos ¾ do salário mínimo. “Essas máscaras serão distribuídas às pessoas mais vulneráveis e mais necessitadas”, salienta Restivo. “Os reeducandos seguem um rigoroso padrão de higiene e obedecem a protocolo de proteção sanitária aprovado pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas”, completa. 

Assessoria de Imprensa SAP

Deixe seu Comentário